ponto, afinal


Texto: Lílian Honda



 Escrito por Lílian Honda às 16h19
[   ] [ envie esta mensagem ]




Sobre tartarugas e afetos

 

Esta é para ti, homem do mar: eu vi lançarem de volta à água a tartaruga marinha gigante sem uma nadadeira. Tu saberias que na telinha brilhava o desencontro entre a imagem e a voz do narrador batendo no clichê da esperança. Não dirias nada, lendo nos meus olhos que não há salvação nem para o que merece ser salvo. Ou não há merecimento.

 

No ritual tardio da renúncia, a tela jogava o mar, as tartarugas, os guardiões, os ninhos, as areias do forte e as minhas memórias de ti. Tudo o que eu queria naquele momento era perder-me no imenso azul da minha errância afetiva, das minhas desistências. A tartaruga marinha gigante sem uma nadadeira nunca teve pendor para a salvação.

Texto: Lílian Honda
Imagem: Edward Hopper, "Room by the Sea" (1951)



 Escrito por Lílian Honda às 14h06
[   ] [ envie esta mensagem ]




Os olhos dele eram azuis

Fosse apenas pelos grandes e belos olhos azuis dele, já teria valido a pena. Brinco na orelha esquerda. Magro. Mais ou menos alto. Econômico e elegante nos gestos, nas escolhas, até mesmo no jeito despojado de vestir, calculado tal como o desenho perfeito do cavanhaque. Era uma espécie de garotão grisalho, conjunto que, para ela, estava bem além do agradável.

 

Nunca haviam se visto antes e, no entanto, ela se sentia bem ali, tomando um café sem a menor pressa, ouvindo e se perguntando como um sujeito podia ser ao mesmo tempo tão adorável e tão odioso. “Você tem seus encantos”, ele falou. “E seus elogios são quase ofensas”, pensou ela, mas nada disse, sorrindo sempre, afundada no sofá da cafeteria, pés cruzados em cima da cadeira à sua frente, à espera de um sinal, qualquer sinal, um gesto, uma frase menos desajeitada, qualquer coisa que espantasse aquele incômodo que era a poeira levantada de tempos em tempos pelos comentários dele, de uma agressividade tão contida quanto indisfarçável.

 

“Me destestou”, ela imaginava, quando foi interrompida pelo beijo dele. Adorável. Seguido da frase: “Você é algo tangível”. Odioso. Imediatamente, ocorreu-lhe que seria apenas uma mulher acessível, algo como “é só que ele tem ao alcance das mãos”. Ele a detestara, era certeza. “Vamos transar?”, ele perguntou. “Não”, foi a resposta dela, um biombo para seu óbvio desejo. Não iria para a cama com aquele sujeito, isso era definitivo, porque não entendia o que ele não dizia e tinha a impressão de que as palavras que saíam de sua boca eram embaladas por uma violência silenciosa com a qual não sabia lidar, ela e sua cordialidade distante, sua delicadeza domada.

 

Do nada, ele saiu-se com esta: “Tá vendo aquele casal ali? O que aquela menina tão bonita viu num sujeito feioso daquele? Um bolha, olha o cara. Não tá nem aí com ela. E olha que até eu me apaixonei por ela”. “Vai lá e trepa com ela”, respondeu-lhe, cuspindo cada sílaba em voz baixa e clara. “Não tem nada a ver. Com a gente, é outra coisa, é real. É tangível”, ele disse, levantando-se para pagar os malditos cafés. Tangível eram a mãe dele, a irmã, a filha... Ela não queria ir e tinha raiva de querer ficar, mas conformou-se.

Já na calçada, sem olhar diretamente em seus olhos, ele falou: “Se a gente não transar hoje, acho que não vai rolar nunca mais”. “Chantagem?”, ela perguntou. “Não. Palpite”. Despediram-se com um beijo na boca. Ternura. Não se entendiam com as palavras, talvez se entendessem com os corpos. "Bobagem romântica", ela pensou, rindo. “Vê se não some”, foi a última coisa dita por ele, enquanto ela entrava no carro com pressa de tirar dali a barafunda de atrapalhação, inquietude, medo, raiva e tesão que lhe revirava o estômago e os pensamentos. Desapareceu em segundos na noite da larga avenida.

Texto: Lílian Honda



 Escrito por Lílian Honda às 21h37
[   ] [ envie esta mensagem ]





 
Um diário inconstante de minha ternura pelas impossibilidades.

Todos os textos publicados neste blog são de autoria de Lilian Honda, exceto quando indicado o contrário (e, nesses casos, serão dados os devidos créditos ao autor).

Twitter:
LilianHonda

Conheça meu outro blog:
Mal Traçadas





O que é isto?




Histórico
  Ver mensagens anteriores

Eu ando por aqui:
  a manh'ser
  Azul Cobalto
  Bolero na Cidade
  Branco Leone
  Carpinejar
  Copy & Paste
  Diálogos Impertinentes
  Directriz
  Escrita Ibérica
  Lúcido Límpido Proparoxítono
  Mudança de Ventos
  No Arame
  O Essencial e o Acessório
  Opiniondesmaker
  Sabor a Sal
  Segundo Impacto
  Sem pénis, nem Inveja
  Senhor Prendado
  Tábua de Marés
  Um Mundo Imaginado
  Válvula Literária
  Vomitando Imagens
Divulgue seu blog!



Textos anteriores

Oculto

Pudor

Solipsismo

Relicário
Maré de sizígia


Notícias

Break-up

Lápis

Filigranas
O lutador - II (para Marcelo)
Entrelinhas


Cores, nomes (para Alexandre)

Prece para o senhor do caos
(para Marcelo)


Língua (para Alexandre)

Redenção
O gato


Marisma (para o gaúcho)

Depois da chuva

O lutador (para Marcelo)
Véu


Circular
Sobre tartarugas e afetos
(para o gaúcho)
Os olhos dele eram azuis (conto)


Onça (conto para Lurdes)
Lunette


Um ano (para Letícia Emi)

A volta do homem livre
(para o gaúcho)


O homem livre (para o gaúcho)
Retrato (para Sandro)


Fazes-me Falta
(de Inês Pedrosa)
Trinca (conto)


Máscara

Frau (para minha Oma)
Tai chi chuan (para Fernando)


Sobre Hopper
Biombo chinês
Blog Legal do Uol


Bem-querer

Mariposa
Implosão
Saudades na pele
Pedrinhas na memória
(para Álvaro)
Rendição
Cantares de perda por Hilda
Enigma


Encontro
Colagem
Saudade de mim
Game over


Fantasmas
O apartamento - 2
O apartamento
Rio
The end
Lembrança
Cassino
Arpão
Musa (conto)
Sumiê
Voz
Desejo