ponto, afinal


O homem livre

Um homem pensa que passou uma noite dentro de mim e que foi tudo. Pensa que me deu só prazer.
Talvez eu ainda grite em sua memória por uns dias.
Talvez já tenha silenciado.
Nessa noite, eu soube que o homem é livre e o melhor que posso fazer é deixá-lo ir, largando a porta distraidamente entreaberta, para o caso de ele querer voltar.
O homem não sabe quase nada de mim, a não ser as palavras que tenho deixado aqui e ali e que não eram para ele. Também não sabe que em minha cama ficou um pouco de sua liberdade misturada ao seu cheiro.
Não espero mais que isso. É muito. É tudo.

 

Texto: Lílian Honda
Imagem: Philip Pearlstein, Two Models on a Kilim Rug with Mirror (1983)



 Escrito por Lílian Honda às 14h57
[   ] [ envie esta mensagem ]




Retrato

Nada no retrato adivinha a inquietude. As cores que revelam meus traços, meus olhos, metade de um sorriso ligeiro, muito mais dissimulam. É o teu olhar, eu sei, mas ainda assim procuro-me ali. É do hábito. Horas e horas dos meus dias são dedicadas ao meticuloso estudo da anatomia dos porquês, ao pinçar os nervos dos afetos, à dissecação do que não é carne dentro da carne.

Nada me explica aos meus olhos e se não sei o quanto e o quê de mim se expande até respingar no outro, só posso esperar que me adivinhem, enquanto permaneço no exercício de ler as paredes do abismo que me esconde.

Se sou mais a vidente ou as entranhas esquadrinhadas, não sei dizer. Quanto estou no rabisco divinatório com que me definem uns poucos, falho até mesmo em pressentir.

Por isso sempre fico assustada quando olho as minhas mãos e vejo as garras e mais ainda quando não reconheço a habilidade com que acabei de fazer o bom-mau uso delas.

É assim que recolho dos dias as garras, as águas, as palavras, os desejos para que se revelem antes a mim e eu possa dizer-te: essa não sou eu.

Texto: Lílian Honda
Imagem: David Hockney, "Model with Unfinished Self-Portrait" (1977)



 Escrito por Lílian Honda às 12h00
[   ] [ envie esta mensagem ]





 
Um diário inconstante de minha ternura pelas impossibilidades.

Todos os textos publicados neste blog são de autoria de Lilian Honda, exceto quando indicado o contrário (e, nesses casos, serão dados os devidos créditos ao autor).

Twitter:
LilianHonda

Conheça meu outro blog:
Mal Traçadas





O que é isto?




Histórico
  Ver mensagens anteriores

Eu ando por aqui:
  a manh'ser
  Azul Cobalto
  Bolero na Cidade
  Branco Leone
  Carpinejar
  Copy & Paste
  Diálogos Impertinentes
  Directriz
  Escrita Ibérica
  Lúcido Límpido Proparoxítono
  Mudança de Ventos
  No Arame
  O Essencial e o Acessório
  Opiniondesmaker
  Sabor a Sal
  Segundo Impacto
  Sem pénis, nem Inveja
  Senhor Prendado
  Tábua de Marés
  Um Mundo Imaginado
  Válvula Literária
  Vomitando Imagens
Divulgue seu blog!



Textos anteriores

Oculto

Pudor

Solipsismo

Relicário
Maré de sizígia


Notícias

Break-up

Lápis

Filigranas
O lutador - II (para Marcelo)
Entrelinhas


Cores, nomes (para Alexandre)

Prece para o senhor do caos
(para Marcelo)


Língua (para Alexandre)

Redenção
O gato


Marisma (para o gaúcho)

Depois da chuva

O lutador (para Marcelo)
Véu


Circular
Sobre tartarugas e afetos
(para o gaúcho)
Os olhos dele eram azuis (conto)


Onça (conto para Lurdes)
Lunette


Um ano (para Letícia Emi)

A volta do homem livre
(para o gaúcho)


O homem livre (para o gaúcho)
Retrato (para Sandro)


Fazes-me Falta
(de Inês Pedrosa)
Trinca (conto)


Máscara

Frau (para minha Oma)
Tai chi chuan (para Fernando)


Sobre Hopper
Biombo chinês
Blog Legal do Uol


Bem-querer

Mariposa
Implosão
Saudades na pele
Pedrinhas na memória
(para Álvaro)
Rendição
Cantares de perda por Hilda
Enigma


Encontro
Colagem
Saudade de mim
Game over


Fantasmas
O apartamento - 2
O apartamento
Rio
The end
Lembrança
Cassino
Arpão
Musa (conto)
Sumiê
Voz
Desejo