ponto, afinal


Mariposa

No lado de fora, as coisas são simples. Dias e dias enfileiram-se exibindo variados matizes de cinza. A beleza lá fora traveste-se de dégradé e oculta-se nos detalhes. Beleza sutil e melancólica: a mendiga lava os cabelos na torneira do jardim de uma casa. Beleza que não se vê por inteiro: coloridas quinquilharias mesclam-se ao alarido da rua. Beleza serena e imprevista: a pele perfeita e muito alva de uma senhora idosa no metrô. Beleza prêt-à-porter: nas minhas mãos, a almofada de organza bordada com fios dourados e vitrilhos.
De onde estou, do meu jardim secreto, posso ver a beleza drummondiana de flor no asfalto, que não chega a queimar os olhos. Prefiro outra, tu sabes. A fatal. A de dentro. A que sobrevive por um fio, tentando inutilmente traduzir a lava da dor antes que ela escolha o transbordar sem palavras. Beleza tanto mais violenta quanto menos se vê, essa que explode dentro dos limites de mim. Quero que saibas: morreu por excesso de luz a mariposa cinza que escolheu uma concha translúcida para viver. A silhueta ainda se mostra à noite, recortada no globo de vidro leitoso.


Texto: Lílian Honda
Imagem: "Ofélia", de Redon (c.1900-1905)



 Escrito por Lídia de Reis às 10h21
[   ] [ envie esta mensagem ]




Implosão

As palavras caladas seguram o desabrochar do tempo e entre pétalas fechadas resguardam-se os sentimentos. Pequenas aranhas tecem silêncios e sutilezas. Às vezes, um gozo e, num grito, uma flor distraída abre-se antes da sazão. Paixões de asas vincadas ainda são esperança em seus casulos. No poço, água límpida decanta restos de dor. Céu sempre azul, sem vento nem nuvens. No meu jardim secreto, é tempo de dormência.

Texto: Lílian Honda
Imagem: "O Mundo de Cristina", Andrew Wyewth



 Escrito por Lídia de Reis às 10h20
[   ] [ envie esta mensagem ]




Saudades na pele

Há corpos de palavras, não o meu, matéria de excessiva rudeza e densidade que persiste a despeito delas, suportando com alguma indulgência o intrincado de pretextos, equívocos, razões e desrazões que mal revestem o viver.
No limite, a invocação da pele repassa a ancestral lição: "tu falas saudades; eu  mostro...". É quando o desejo faz da ausência a flor brutal que recende a memória e nunca se deixa colher.


Texto: Lílian Honda


 Escrito por Lídia de Reis às 10h18
[   ] [ envie esta mensagem ]




Memórias

Lembra-te das pedrinhas que atiravas à minha janela? O som e o súbito acordar ecoam ainda na madrugada, sem se darem conta de que vivo apenas de exilar memórias. Lembro do toque dos meus pés descalços nos degraus de madeira, levando-me às cegas, descomposta, sonolenta e apressada a abri-te a porta. Trazias vinho e violão, às vezes uma tela para mostrar. Eu acabava por adormecer no sofá da sala, encolhida de frio e de afeto. Tu, que conheces tudo, esqueceste de contar por que nunca nos beijamos.

Texto: Lílian Honda
Imagem: Gustave Caillebotte, "Young Man at His Window"(1875)



 Escrito por Lídia de Reis às 10h17
[   ] [ envie esta mensagem ]




Rendição

Levantei de súbito quando me chamaste do sono. Acordei do avesso. As armas ficaram por dentro, provas embaladas e etiquetadas da inutilidade do resguardo da dor. Por fora, a pele suavizada pelo sonho e, em algum canto, a prudência temporariamente suspensa pela sua voz. Meu nome na tua boca me diz: a força está no vulnerável de ti.


Texto: Lílian Honda
Imagem: Rossetti, "Vênus Verticordia"



 Escrito por Lídia de Reis às 10h17
[   ] [ envie esta mensagem ]






Cantares de Perda por Hilda


Hilda se foi. Em meio à preocupação com as dezenas de cães e gatos vadios que sua generosidade acolheu na Casa do Sol, terá Hilda reparado na ironia de sua dívida eterna com a prefeitura ter chegado ao fim? Desde sempre, reclamava de não ter leitores, o que, em certa época, a fez dedicar-se à pornografia. Virou arte, não tinha jeito nem cura. O que estaria pensando do relançamento de todos os seus livros nos último anos?

II
Ama-me. É tempo ainda. Interroga-me.
E eu te direi que o nosso tempo é agora.
Esplêndida avidez, vasta ventura
Porque é mais vasto o sonho que elabora

Há tanto tempo sua própria tessitura.

Ama-me. Embora eu te pareça
Demasiado intensa. E de aspereza.
E transitória se tu me repensas.

V
Nós dois passamos. E os amigos
E toda minha seiva, meu suplício
De jamais te ver, teu desamor também
Há de passar. Sou apenas poeta

E tu, lúcido, fazedor da palavra,
Inconsentido, nítido

Nós dois passamos porque assim é sempre.
É singular e raro este tempo inventivo
Circundando a palavra. Trevo escuro

Desmemoriado, coincidido e ardente
No meu tempo de vida tão maduro.

Hilda Hilst (Dez Chamamentos ao Amigo,
in "Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão")




 Escrito por Lídia de Reis às 19h57
[   ] [ envie esta mensagem ]






LXIII
Tens a medida do imenso?
Contas o infinito?
E quantas gotas de sangue
Pretendes
Desta amorosa ferida
De tão dilatada fome.

Tens a medida do sonho?
Tens o número do Tempo?
Como hei de saber do extenso
De um ódio-amor que percorre
Furioso
Passadas dentro do vento?

Sabes ainda meu nome?
Fome. De mim na tua vida.

Hilda Hilst (Cantares de Perda e Predileção, in "Cantares")

1.
E o tempo tomou forma. Assim me soube
Envolta em grande água do mar até a cintura
E nada a não ser água e seu rumor
Aos ouvidos chegava. E sou ainda
Que um só gesto e sopro acrescentava
Essa vastíssima matéria. E atenta
Em consideração a mim, cobri-me de recuos.
Eu, que de docilidades me fizera.

Antes avara desse tempo que resta.
Se em muitos me perdi, uma que sou
É argamassa e pedra. Guardo-te a ti.
Em consideração a mim. Redescoberta.

Hilda Hilst (Memória, in "Exercícios")

"Agora será sempre o abismo, espio lá no fundo, o que há no fundo? Secura, tudo consumado. Nunca mais. (...) Para o meu corpo, um funeral, e para a VIDA GRANDE DO DE DENTRO, ESSA INTEIRA VIVA, o quê? Agda, é assim: ESSA INTEIRA VIVA não acompanha o corpo, essa é intacta, nada a corrompe, ESSA INTEIRA VIVA tem muitas fomes, busca, nunca se cansa, nunca envelhece, infiltra-se em tudo que borbulha, no parado também, no que parece tácito e ajustado, nos pomos, nas aguadas, no paludoso rico que o teu corpo não vê. ESSA INTEIRA VIVA é que vive esse amor, o corpo não, Agda. Isso é verdade?"

Hilda Hilst ( "Kadosh")



 Escrito por Lídia de Reis às 12h04
[   ] [ envie esta mensagem ]




Enigma



Decifra-me, que deixo-me devorar gemendo de prazer enquanto respiro a morte do amor na próxima esquina. Mas antes fala-me mansamente daquilo que adivinhaste para que eu finalmente saiba quem se abandona no altar precário do desejo.


Texto: Lílian Honda
Imagem: Klimt, "Music"


 Escrito por Lídia de Reis às 19h14
[   ] [ envie esta mensagem ]





 
Um diário inconstante de minha ternura pelas impossibilidades.

Todos os textos publicados neste blog são de autoria de Lilian Honda, exceto quando indicado o contrário (e, nesses casos, serão dados os devidos créditos ao autor).

Twitter:
LilianHonda

Conheça meu outro blog:
Mal Traçadas





O que é isto?




Histórico
  Ver mensagens anteriores

Eu ando por aqui:
  a manh'ser
  Azul Cobalto
  Bolero na Cidade
  Branco Leone
  Carpinejar
  Copy & Paste
  Diálogos Impertinentes
  Directriz
  Escrita Ibérica
  Lúcido Límpido Proparoxítono
  Mudança de Ventos
  No Arame
  O Essencial e o Acessório
  Opiniondesmaker
  Sabor a Sal
  Segundo Impacto
  Sem pénis, nem Inveja
  Senhor Prendado
  Tábua de Marés
  Um Mundo Imaginado
  Válvula Literária
  Vomitando Imagens
Divulgue seu blog!



Textos anteriores

Oculto

Pudor

Solipsismo

Relicário
Maré de sizígia


Notícias

Break-up

Lápis

Filigranas
O lutador - II (para Marcelo)
Entrelinhas


Cores, nomes (para Alexandre)

Prece para o senhor do caos
(para Marcelo)


Língua (para Alexandre)

Redenção
O gato


Marisma (para o gaúcho)

Depois da chuva

O lutador (para Marcelo)
Véu


Circular
Sobre tartarugas e afetos
(para o gaúcho)
Os olhos dele eram azuis (conto)


Onça (conto para Lurdes)
Lunette


Um ano (para Letícia Emi)

A volta do homem livre
(para o gaúcho)


O homem livre (para o gaúcho)
Retrato (para Sandro)


Fazes-me Falta
(de Inês Pedrosa)
Trinca (conto)


Máscara

Frau (para minha Oma)
Tai chi chuan (para Fernando)


Sobre Hopper
Biombo chinês
Blog Legal do Uol


Bem-querer

Mariposa
Implosão
Saudades na pele
Pedrinhas na memória
(para Álvaro)
Rendição
Cantares de perda por Hilda
Enigma


Encontro
Colagem
Saudade de mim
Game over


Fantasmas
O apartamento - 2
O apartamento
Rio
The end
Lembrança
Cassino
Arpão
Musa (conto)
Sumiê
Voz
Desejo